Trabalhos acadêmicos foram expostos no campus aeroporto e palestras foram ministradas no auditório

Por Camila Carvalho

Nesta terça-feira (25), foi realizada a primeira Mostra Pierre Fauchard do curso de odontologia. Os alunos do primeiro semestre do campus aeroporto expuseram trabalhos científicos e acadêmicos realizados na disciplina Introdução à Odontologia, ministrada pela professora Mônica Macau e em seguida assistiram às palestras.

A mostra leva o nome do médico francês Pierre Fauchard, que é considerado o pai da odontologia moderna. Ele é autor da obra “Le Chirurgien Dentiste” (1728), primeira obra de odontologia, que descreve a anatomia oral, sintomas de patologias da boca, técnicas para remoção de cáries, restaurações e implante de dentes.

Dentre os trabalhos apresentados, estavam Introdução à Odontologia, Pesquisa em Odontologia, Mercado de Trabalho e as Perspectivas Para as Especialidades da Odontologia, O Novo Perfil Profissional e as Especialidades em Odontologia, a História da Odontologia da Pré-história até o Século XXI e Entidades Odontológicas. Os alunos formaram grupos com quatro integrantes e cada um explicou sobre o tema escolhido. A professora Mônica Macau passou em cada um dos grupos avaliando o domínio do tema de cada estudante.

O grupo da aluna Ana Paula Galvão falou sobre o surgimento da odontologia no mundo, que existe desde a pré-história. Ela conta como eventos que instigam a pesquisa contribuem para o processo de aprendizagem. ”Adorei participar da exposição. Foi desafiador e exige bons momentos de pesquisa, mas gostei da experiência. A faculdade precisa continuar incentivando o crescimento intelectual dos alunos com eventos desse porte e proporcionar o estudo e a pesquisa”, disse.

Entre os observadores da Mostra, uma pessoa chamou a atenção, o senhor Valdir Alves Cardoso, pai da aluna Elise Cardoso, acompanhou o evento e ficou bastante orgulhoso da apresentação da filha. “Estou muito orgulhoso, sempre fiz questão de acompanhá-la desde criança. E também acho que é bom para nós, da comunidade, participar de eventos como esses”, afirmou.

Palestras

Após a exposição dos trabalhos acadêmicos, os alunos assistiram a duas palestras, uma com o professor doutor Gilberto Pucca Júnior, da Universidade de Brasília, e com o presidente do Conselho Regional de Odontologia do Distrito Federal, Marco Antônio dos Santos. Também estavam presentes no evento o diretor-presidente do Icesp, professor Ruy Muniz, a reitora Ana Angélica Paiva e o coordenador do curso, Ricardo Paulin.

O diretor-presidente do Icesp, professor Ruy Muniz, enfatizou a importância das iniciativas de pesquisas ainda no início do curso. “Estamos aqui para incentivar a realização dos trabalhos acadêmicos científicos ainda mais no primeiro período. Isso é inédito. Eu trabalho há muitos anos com educação e normalmente eventos como esse são realizados por alunos que estão concluindo o curso”.

O professor também ressaltou que a educação tem a função de transformador social “. A educação é tudo. A educação transforma a vida das pessoas. Transformou a minha vida e com certeza mudará a vida de todos esses alunos”, disse.

Em seguida, o presidente do Conselho Regional de Odontologia (CRO-DF), Marco Antônio dos Santos,  apresentou a palestra sobre as atribuições do órgão. Ele também falou sobre os números de atuações em todo o território brasileiro e como novos profissionais devem buscar qualificação profissional para se manter no mercado de trabalho. “O grande diferencial é nunca parar de estudar. Especialização é muito importante, aqui em Brasília é quase unanimidade. Dos dentistas com registros no CRO, 61% têm especialização, enquanto clínico geral apenas 39%. Em relação ao gênero, a porcentagem é a mesma, as mulheres dominam o mercado no Distrito Federal sendo 61% profissionais do sexo feminino para 39% do sexo masculino. As mulheres são mais dedicadas. Estudam e se especializam mais”, disse o presidente do Conselho.

A palestra seguinte foi ministrada pelo professor doutor Gilberto Pucca Júnior, da Universidade de Brasília (UnB). Ele falou sobre saúde bucal e abordou exemplos de quando foi responsável pela implantação do primeiro projeto brasileiro de política para saúde bucal, o Brasil Sorridente, iniciativa implantada em 2014 pelo governo federal, que tem como objetivo ampliar o atendimento e melhorar as condições de saúde bucal da população brasileira.

O professor contou como o projeto mudou a vida dos brasileiros e diminuiu as altas taxas de endentulismo, que é a perda total ou parcial dos dentes. “Quando iniciamos o Brasil Sorridente, certificamos que 75% da população brasileira chegava aos 60 anos de idade  sem um dente na boca. Isso é para a gente se indignar. Então, o problema do endentulismo não é das comunidades ribeirinhas do Amazônia, não é das comunidades do Cariri, no Nordeste. É de dentro da nossa causa. Não é a minoria”, declarou.

Segundo ele, é necessário que os profissionais dentistas saibam dos problemas da sociedade para buscar soluções de maneira ampla. “Eu trouxe os dados do projeto para que os alunos entendam que é disso que se trata saúde bucal e o profissional responsável sobre saúde bucal somos nós. Precisamos ter conhecimento desses dados e buscar solucionar e ser útil a sociedade, se a gente não conseguir ser útil para a sociedade nós não vamos conseguir ser respeitados. Nós não podemos ser úteis apenas para nós mesmos, temos que ser úteis para quem está de fora da odontologia”, aconselhou.

A professora Mônica Macau, responsável pela mobilização do evento, disse como a primeira Mostra de trabalhos acadêmicos do curso é importante para familiarizar os calouros no ramo da pesquisa. “A proposta do evento foi mobilizar os alunos para os projetos do ICESP, dos quais se encontra a grande mola de uma instituição que cresce: a pesquisa ainda na graduação. Trazemos, portanto, para a sala de aula, as diretrizes nacionais dos currículos dos cursos superiores para a formação de profissionais críticos, reflexivos e com práticas humanizadas”, disse. 

O coordenador de Odontologia do Icesp, Ricardo Paulin, elogiou o evento e disse que a Mostra foi enriquecedora. “Os alunos puderam vivenciar uma experiência similar a uma jornada científica ou congresso, contando com a participação do presidente do nosso Conselho Regional de Odontologia, Marco Antônio dos Santos e do fundador do Brasil Sorridente, professor doutor Gilberto Pucca Júnior, que é uma referência para nós, em questão de saúde pública e social. Esse é um evento inédito porque, geralmente, alunos do primeiro semestre não têm maturidade para fazer um evento como esses, mas eles se expuseram e conseguiram fazer um evento muito bonito. É o início de uma turma muito promissora”, comemora.

A próxima Mostra já está na programação do curso. Segundo a professora Mônica Macau, a segunda edição da Mostra Pierre Fauchard será realizada em junho de 2020, no campus Águas Claras.