Alunos aprenderam sobre a importância do associativismo e cooperativismo, da potencialidade do agronegócio no Planalto Central e sobre a otimização da produção

Por Camila Carvalho

Nesta segunda-feira (08)  os estudantes do curso de Agronomia participaram da primeira Seagro. A abertura da semana contou com a presença da diretora acadêmica, Ana Angelica Gonçalves; Aparecido Pimentel, coordenador geral de cursos; Marcelo Marinho, coordenador do curso de Agronomia e Marcelo Castro, o homenageado como padrinho da semana. O evento conta ainda com uma exposição de plantas e ficará disponível durante a semana.

A Semana acadêmica tem como tema a “Sustentabilidade do Agronegócio”. No primeiro dia as palestras abordaram os temas: Associativismo e Cooperativismo/40 anos da COOPA-DF, Potencialidade do Agronegócio no Planalto Central e Sistemas de Integração lavoura Pecuária e Floresta.

O primeiro palestrante foi o engenheiro agrônomo, Claúdio Malinsk, ele é diretor técnico da COOPA-DF e especialista em agroindústria pela Universidade de Brasília. Ele defendeu o associativismo e cooperativismo. Segundo ele, o que resulta na criação de uma cooperativa é a busca por criar algo, um ambiente favorável e a necessidade, apoio do governo por meio de energia, estradas, interferência junto aos bancos para ajudar na economia, investimentos em centros de pesquisas na região e investimento dos associados.

Na segunda palestra do dia, o coordenador-geral da Agrobrasília, Ronaldo Triacca, falou sobre a Potencialidade do Agronegócio no Planalto Central Brasileiro e feira. O palestrante elogiou os alunos do Icesp e disse que é a instituição de ensino que mais participa da Agrobrasília .

A palestra abordou as riquezas do Planalto Central para o agronegócio. O Planalto Central é uma área que se estende pelo Distrito Federal e Goiás, parte de “O Planalto Central é a região com mais tecnologia no agronegócio brasileiro. Tem a maior área irrigada na América latina. Uma das mais diversificada a níveis de atividades agropecuárias. Isso se deve ao bom clima da região”.

A região também tem maior produtividade entre trigo, milho, feijão e outras culturas. São 15 mil hectares irrigados, quatro cooperativas agropecuária, diversidade de culturas em uma só região. Em relação à pecuária, são mais de 15 milhões de cabeça de gado.

A AgroBrasilia foi criada em 2008. Suas principais qualidades são: a proximidade da capital federal, proximidade do aeroporto internacional de Brasília, permitindo que pessoas de outros estados tenham um fácil acesso, proximidade com órgãos governamentais e não governamentais, proximidade com embaixadas e serviço de hospedagem, são mais de 30 mil leitos.

A feira está entre uma das maiores feiras do Brasil e tem oito centros de pesquisas da  Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Oferece uma grande infraestrutura, organização e o compromisso com a sustentabilidade.  Além disso, o permite que o produtor se torne mais antenado. O palestrante terminou sua apresentação dizendo: “Não temos a pretensão de tornar a AgroBrasília a maior Feira do país, mas acreditamos que será a mais importante, tanto na difusão de tecnologia como na contribuição para o desenvolvimento rural sustentável do cerrado brasileiro”.

A última palestra foi do  engenheiro agrônomo Ronaldo Trecenti. Ele debateu sobre os Sistemas de Integração lavoura Pecuária e Floresta. A necessidade de diversificar a produção. Segundo ele, uma série de fatores dificultam a produtividade do agronegócio e por isso o produtor deve ter mais um tipo de atividade. “O maior bem do produtor é a terra por isso investir na proteção do solo e essencial”, concluiu.